Ameaça às orquídeas na APA de Massambaba

Os professores em campo preocupados com a preservação ambiental (Agnelo Quintela)

Os professores em campo preocupados com a preservação ambiental (Agnelo Quintela)

A Área de Proteção Ambiental (APA) da Massambaba fica localizada nos municípios de Saquarema, Araruama e Arraial do Cabo, é uma extensa área de preservação e conservação da vida silvestre, incluindo espécies raras, como é o caso da orquídea da espécie Bletia catenulata, endêmica, em um terreno de salina desativada, em Praia Seca. Ana Santos, professora de biologia do Colégio Estadual Oliveira Viana, explica que essa espécie tem a capacidade de existir em terreno de alta salinidade, é uma lindíssima flor de cor purpúrea, delicada e sensível, que pode atingir aproximadamente 1,20 m de altura; a florada se dá entre os meses de setembro e dezembro, com dormência nos demais meses, apresentando-se como um patrimônio genético único. É rara na região e no mundo, faz parte do patrimônio biológico da humanidade.

Essa flor não escapou aos olhares mais atentos da professora que foi com um grupo de colegas, professores de química, matemática, física e biologia, para documentar a existência desta orquídea rara e bela, com alto risco de extinção, ameaçada pelos constantes incêndios na vegetação e pela presença de animais de pasto na região, que pisoteiam e esmagam as plantas e delas se alimentam. A equipe de professores de ciências do Colégio Estadual Oliveira Viana se surpreendeu com a visita à região, em busca de uma área para aulas e estudos de campo, ao deparar-se com a grave situação.
A escola que já ganhou um prêmio na IV Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente, no ano passado, com um trabalho de criação de uma horta diferenciada na escola, este ano pretende desenvolver na Feira de Ciência o Projeto Educação para o Meio Ambiente, voltado para essa região, com todos os biomas locais. A intenção é conscientizar as pessoas para a conservação, preservação e sustentabilidade dessa riqueza ambiental de Saquarema.
“É uma região lindíssima, rica em biomas, verdadeira patrimônio para todas as gerações, com um potencial turístico e de pesquisa científica maravilhosa”, diz a professora Ana. “Além da rica flora e fauna, a região apresenta estromatólitos – que são evidências de vida primitiva – próximo da Lagoa Vermelha, entre Vilatur e Praia Seca, numa área de restinga, manguezal, praia, salinas e espécies da Mata Atlântica. É uma região privilegiada em meio ambiente. A população precisa desta consciência, para preservar”, conclui a professora.

Espécie raríssima sofre com incêndios e presença de animais (Agnelo Quintela)

Espécie raríssima sofre com incêndios e presença de animais (Agnelo Quintela)

 

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Alessandra Calazans é jornalista.