Microbacia do Roncador é exemplo de integração do Programa Rio Rural

Técnicos da ONU, da Emater-Rio, do Programa Rio Rural, das Secretarias Municipais  de Meio Ambiente e de Agricultura, Abastecimento e Pesca, juntos com um só objetivo:  o desenvolvimento sustentável na microbacia do Rio Roncador. (Fotos: Edimilson Soares)

Técnicos da ONU, da Emater-Rio, do Programa Rio Rural, das Secretarias Municipais de Meio Ambiente e de Agricultura, Abastecimento e Pesca, juntos com um só objetivo: o desenvolvimento sustentável na microbacia do Rio Roncador. (Fotos: Edimilson Soares)

A microbacia do Rio Roncador, em Saquarema, é um exemplo da integração entre os moradores, o poder público e as organizações locais. Beneficiada pelo Programa Rio Rural, a microbacia que se estende desde a Serra do Matogrosso até a foz do Rio Roncador, na Fazenda Ubás, próximo a Jaconé, é um modelo de gestão participativa para o desenvolvimento rural sustentável. No final de junho, representantes do Banco Mundial e da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) visitaram a microbacia, como parte da missão de supervisão do Programa Rio Rural, uma parceria da Emater-Rio com a Secretaria Estadual de Agricultura e Pecuária.

Na ocasião, os consultores Nestor Bragagnolo e Katia Medeiros foram recebidos pelos técnicos das comunidades locais, no Horto Florestal, onde funciona a Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento e Pesca de Saquarema. Acompanhados da equipe do Rio Rural, foram recebidos por agricultores locais e pescadores artesanais, que fazem parte do primeiro grupo beneficiário do programa na microbacia. No ano passado, os pescadores receberam redes de pesca, no valor de R$ 24 mil, como incentivo inicial para o desenvolvimento sustentável de sua atividade. Um segundo lote de incentivos já está previsto, para 28 famílias que vivem da pesca na microbacia.

Boas práticas

O viveiro de mudas inaugurado no Horto Florestal, em Sampaio Corrêa, com espécies nativas para replantio nas áreas degradadas da microbacia do Rio Roncador

O viveiro de mudas inaugurado no Horto Florestal, em Sampaio Corrêa, com espécies nativas para replantio nas áreas degradadas da microbacia do Rio Roncador

Diretor de Planejamento da Emater-Rio e ex-técnico do Rio Rural no município, João Batista apresentou as ações previstas e as já executadas. Além do incentivo direto às boas práticas, o Rio Rural investiu, em parceria com o Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João (CBHLSJ), na estruturação do Horto Municipal, onde já estão sendo produzidas mudas para projetos de conservação e geração de renda.

“Percebemos que seria importante produzir as mudas na própria microbacia, atendendo um número muito maior de produtores. Uma muda que custa R$ 1,50 sai a R$ 0,40 na comunidade”, informou João Batista. Os investimentos no horto, que somam R$ 20,5 mil, foram feitos com recursos do Rio Rural e do Fundo de Boas Práticas Socioambientais em Microbacias (FUNBOAS), mecanismo de compensação ambiental estabelecido pelo Comitê (CBHLSJ), com verba proveniente do pagamento pelo uso da água da bacia. Segundo Mário Flávio Moreira, representante do Consórcio Intermunicipal Lagos São João, entidade delegatária do Comitê (CBHLSJ), mais recursos serão investidos.

“O FUNBOAS tem em torno de R$ 70 mil para investir na Microbacia do Roncador. Isso servirá para dar o pontapé inicial para novas parcerias e recursos”, informou o biólogo. Entre as ações previstas na microbacia, em benefício dos agricultores, destacam-se também a adoção de boas práticas para preservação de áreas degradadas, lagoas e canais, treinamento em cultivo de banana, pupunha, em sistemas agroflorestais, manejo sustentável de rebanho e educação ambiental. Já para o desenvolvimento da Colônia de Pescadores Z-24, será instalado uma capatazia (posto avançado), permitindo maior interação entre as comunidades pesqueiras de Jaconé, Saquarema, Mombaça e Boqueirão.

Parcerias estratégicas

A prefeita Franciane ressaltou a importância da parceria com o Banco Mundial

A prefeita Franciane ressaltou a importância da parceria com o Banco Mundial

“O Rio Rural está acontecendo para os pescadores. A capatazia é um sonho que está se tornando realidade”, disse o pescador Mateus Alves Neto, ex-presidente da Colônia de Pescadores z-24. Estiveram presentes o secretário executivo do Rio Rural, Nelson Teixeira, representantes do Sindicato de Trabalhadores Rurais e do Sindicato Rural do município, da Associação de Produtores Rurais de Itapinoã (Araruama), da Associação de Moradores do Mato Grosso, da Cooperativa de Beneficiamento de Pescadores e Pescados de Saquarema (Cobepps), da Associação dos Pequenos Produtores Rurais de Saquarema (Aprosa), dos secretários municipais de Agricultura, Abastecimento e Pesca de Saquarema, Wellington de Mattos, e do Meio Ambiente, Gilmar Magalhães, além de técnicos como o veterinário Jayle Filho, Marlúcia Pinto, o extensionista rural Hélio Martins da Emater, lideranças locais e convidados.

A prefeita de Saquarema, Franciane, reforçou o apoio do município, ressaltando a importância da parceria com o Governo do Estado e com o Banco Mundial. O consultor do Banco Mundial, Nestor Bragagnolo, elogiou o trabalho e a participação dos parceiros, afirmando que estão todos de parabéns e que agora os avanços serão ainda maiores.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.