Durval de Macedo Cardoso e Agostinho Cardoso, personagens de Saquarema

Membros da família Cardoso na escadaria da igreja de Santo Antônio, em Bacaxá ( fotos: Acervo Maicon Cardoso)

O agrimensor Durval de Macedo Cardoso, que trabalhou na construção do trecho da ferrovia Maricá-Saquarema, além da abertura de várias estradas no município

O agrimensor Durval de Macedo Cardoso, que trabalhou na construção do trecho da estrada de ferro Maricá-Saquarema, demarcou também estradas e fazendas de Sampaio Correia, Maricá e outros municípios vizinhos. Durval chegou a ser segundo suplente do Juiz de direito Horácio Marques de Carvalho Braga, em 1930, entre outros cargos que ocupou na administração pública. Uma de suas filhas, Nelita Cardoso, com quase 100 anos, tia-avó do jovem biólogo Maicon Luís Sousa Cardoso, bisneto do ilustre Durval, entregou ao sobrinho documentos de época e fotos em preto e branco, que revelam boa parte da história da família.

Encantado com o material, Maicon disse que o acervo recolhido em casa de sua tia-avó daria para escrever um livro! “Encontrei, entre documentos e fotos, cartas de um de seus filhos, meu avô, pai do meu pai, Agostinho Cardoso, que lutou na Segunda Guerra Mundial, em 1945, na Itália. Ele também tem uma história belíssima e emocionante”, revela Maicon. Até pouco tempo, as tias ainda residiam no mesmo endereço, na Rua Roberto Silveira que, pela deliberação 54, do ano de 1978 (ano da morte de Durval), passou oficialmente a se chamar Durval de Macedo Cardoso, mas continua até hoje sem placa!

Saquaremenses históricos

Foi o ex-prefeito Porphírio Azeredo, falecido recentemente, quem assinou a nova denominação da rua, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelo agrimensor para o desenvolvimento do município, principalmente nos anos da decadência da agricultura; mas essa história permaneceu submersa até hoje. Assim como também a história do filho de Durval, Agostinho Cardoso, que lutou contra os nazistas, na Itália, e foi recebido como herói quando os “pracinhas”, como se chamavam os soldados brasileiros, retornaram ao Brasil no final da guerra. Por sua participação na guerra o ex-pracinha Agostinho Cardoso, avô de Maicon, recebeu o certificado de baixa militar, em 1947, e a Medalha de Campanha concedida pelo então Ministério da Guerra, guardada pela família como uma verdadeira relíquia.

A tia-avó Nelita Cardoso, irmã de Agostinho, com o sobrinho Maicon, a esposa Rose e o filho Talles

O ex-pracinha Agostinho Cardoso recém-chegado da guerra na Itália

Nos arquivos da família, Maicon encontrou uma carta da antiga Câmara dos Vereadores informando a aprovação para reformas da antiga ponte localizada no centro de Saquarema, para o evento da Festa da Padroeira da Cidade, Nossa Senhora de Nazareth. O agrimensor Durval, pai de Agostinho, participou também da construção da nova ponte inaugurada no final do governo do então prefeito Porphírio, que até hoje liga Itaúna à Vila, sobre a Lagoa de Saquarema, no centro da cidade. A nova ponte ganhou o nome de Darcy Bravo e consta que o então prefeito Porphírio não participou da inauguração! Entre os documentos dos Cardoso, há uma carta emocionante de seu filho mais velho, Agostinho, endereçada a seus parentes, quando ainda lutava em Monte Castelo, na Itália, contra as tropas fascistas do ditador Mussolini. Detalhe no envelope: “CENSURADA”.

Be Sociable, Share!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.