Uma gripe que mudou o mundo

Pessoas se protegendo da gripe espanhola, inclusive com um gatinho no colo com máscara (foto: MF Press Global)

A arqueóloga portuguesa Joana Freitas

A arqueóloga portuguesa Joana Freitas se debruçou sobre a gripe espanhola, que assolou o mundo no início do século 20. Considerada a gripe mais letal do mundo, a “espanhola matou cerca de 50 a 100 milhões, em vários países, inclusive no Brasil. A doença teve um grau de contágio tão avassalador que atingiu 500 milhões de pessoas, no final da Primeira Guerra Mundial, no planeta.

Era uma gripo pneumônica, como a pandemia do novo coronavírus que ocorre agora. Uma em cada três pessoas foram infectados. Cerca de 5% da população mundial morreu. O número de mortos aumentava a cada dia, faltavam caixões e locais para o enterro! Os corpos se amontoavam nos hospitais, nas casas e nas ruas. Curiosamente, essa gripe atacava os mais jovens e saudáveis, os velhos escapavam… O mundo que surgiu depois da guerra e da gripe espanhola nunca mais foi o mesmo. A ciência avançou e os cuidados com a higiene e a saúde também.

Be Sociable, Share!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.