Atualidade

Cultura é Notícia - Beatriz Dutra

Vida atual: viver acelerado… pressa para quase tudo… desatenção… desconcentração… perda de qualidade no viver…

E quase todos nós somos vítimas dessa velocidade exacerbada. Como preservar o equilíbrio, a saúde, a leveza, a calma e a alegria de viver com tal correria?…

Na livraria que frequento encontrei dois livros, que atraíram, de imediato, a minha atenção. Ambos sobre essas dificuldades da vida atual: “A ARTE DE SER LEVE”, de Leila Ferreira, e “AS COISAS QUE VOCÊ SÓ VÊ QUANDO DESACELERA”, de Haemin Sunim.

São livros que acalmam e embelezam os nossos dias.

Vejam a preciosidade desse trecho, contido em “A ARTE DE SER LEVE”: “É preciso ser leve como o pássaro, e não como a pluma, disse o escritor francês Paul Valéry. A mesma leveza que o italiano Ítalo Calvino defende em suas “Seis propostas para o próximo milênio”. A pluma flutua – um voo sem plano, sem direção, sem desafios. Os pássaros riscam o ar com precisão, colocam a leveza a serviço do existir”. O que este livro pretende? Segundo sua autora, “refletir sobre valores e comportamentos que podem ajudar a diminuir a opacidade da alma e o peso do espírito”…

Já “AS COISAS QUE VOCÊ SÓ VÊ QUANDO DESACELERA”, pretende ensinar ao leitor “como manter a calma em um mundo frenético”… São verdades simples mas que muitas vezes as deixamos de lado pela pressa na vida… Vejam algumas: “Se alguém lhe parece perfeito, é porque você não conhece essa pessoa muito bem”; “Escolha a felicidade, não o sucesso, como sua meta de vida. Se você for bem-sucedido e infeliz, qual será o sentido?” ; “Aqueles que não fazem inimigos são mais poderosos do que aqueles que têm força para lutar contra todos e vencer”. Simples assim. Não foi à toa que Gibran Kalil Gibran escreveu que “a simplicidade é o último degrau da sabedoria”.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Beatriz Dutra é poeta, “Cidadã Saquaremense” e membro da Academia de Letras Rio – Cidade Maravilhosa.