O Saquá 214 – Chamadas de Capa

Quer folhear as páginas do jornal O SAQUÁ
Edição de Julho de 2017 (edição 214)?
Fique à vontade… Clique nas páginas para ampliar!

 

 

 

 

Reciclar é preciso para preservar o ambiente

Aluna mostra sacos de lixo separados para reciclagem (foto: Divulgação)

A reciclagem de resíduos sólidos vem transformando o conceito de lixo nos últimos anos. Adotada em Saquarema, por várias instituições locais, a reciclagem se tornou destaque ao ser adotada em uma escola em Barra Nova, como parte de um programa de educação ambiental. Promovido pela dupla de ambientalistas, a jornalistas e recicladora Hilma Monteiro e a professora Sueli Furtado, o projeto Nem tudo é lixo é um exemplo de criatividade e invenção a favor do meio ambiente.
Páginas 4 e 5

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O aniversário do jornal O Saquá e da Tupy Comunicações

Os editores Dulce Tupy e Edimilson Soares na redação do jornal O SAQUÁ em Barra Nova (Foto: Alessandra Calazans)

O jornal O SAQUÁ e a TUPY COMUNICAÇÕES completam 17 anos no mês de julho. Com uma linguagem direta e assuntos de interesse local, O SAQUÁ caiu no gosto do público e se consolidou como principal mídia impressa no município de Saquarema. Circulando também em Araruama e Silva Jardim, além da Região dos Lagos, Niterói e Rio de Janeiro, onde chega através do site osaqua.com.br e pelas redes sociais, facebook e twitter, o jornal é um marco no jornalismo do interior. E a TUPY COMUNICAÇÕES, que edita o jornal O SAQUÁ, também já editou neste curto período de sua existência 14 livros, sendo possivelmente a maior editora da região.
Página 3

 

Serguei no cinema

Serguei, o Último Psicodélico (Foto: Edimilson Soares)

Um festival internacional de documentários musicais em São Paulo foi o cenário onde foi feita a apresentação do filme Serguei, o Último Psicodélico. Com ce­nas de shows, incluindo no Rock in Rio, depoimentos de Ney Matogrosso, Angela Ro­-Ro e Evandro Mesquita, além de participações no Programa do Jô, o filme recebeu menção honrosa do júri.
Página 8

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma homenagem a Hélcio Pereira Fortes

Um livro sobre um dos principais dirigentes da ALN (Aliança Libertadora Nacional), uma organização oriunda do antigo Partido Comunista Brasileiro que aderiu à luta armada, foi lançado na sede do PDT, no Rio. Torturado até a morte, Hélcio é considerado um mártir da ditadura militar e civil que se instalou no Brasil depois de 1964.
Página 7

 

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.