Livro revela cenas de uma Saquarema rural

Capa do livro

Um livro de memórias escrito pelo médico José Ernesto Pinto Coelho, publicado em 2011 pela Editora Portal Literário, do Rio, conta histórias vividas em Saquarema, em meados do século passado, a partir da família de um fazendeiro do Morro dos Pregos, na zona rural saquaremense. Com inúmeros detalhes sobre a vida na região, uma pitada de humor, a narrativa é interessante e atrai o leitor. O saudoso Dr. Ernesto, autor do livro, vem a ser o pai do Dr. Toneres, homeopata famoso, e é avô do Dr. Saint Clair, um dos grandes oftalmologistas de Saquarema, terceira geração de médicos com consultórios montados em Bacaxá.

Com o título “O cenário da Baixada”, o livro é uma raridade, porque nunca foi lançado em Saquarema, embora alguns exemplares tenham circulado de mão em mão, distribuídos pelo próprio Dr. Toneres, responsável pela edição. Médico formado na Faculdade de Medicina da UFRJ em 1934, Dr. José Ernesto exerceu medicina no Rio até 1959, quando se aposentou e fixou residência em Bacaxá, Saquarema, onde continuou trabalhando como médico até seu falecimento em 1975. Dr. Toneres deu continuidade então à profissão herdada do pai.

Dr. José Ernesto, médico
e autor do livro

Com uma surpreendente habilidade literária, Dr. Ernesto descreve cenas, hábitos e tipos locais como o preto velho João Fundo Novo, “dos últimos vestígios da escravatura naquelas plagas”, como descreve o autor, a figura burlesca do padre Rufino, que teve muitos filhos e costumava beber junto com o médico Dr. Luiz Januário, hoje nome de rua no Centro de Saquarema; a curandeira Dona Tomázia, de Bonsucesso; e o personagem principal, o fazendeiro Álvaro Machado que se mudou do Rio Seco para o Morro dos Pregos, onde estabeleceu sua próspera fazenda. Era uma fazenda rica em “tabebuias”, as taboas que proliferavam nas margens das lagoas e brejos e serviam para a fabricação de tamancos em Niterói.

Fatos e personagens

Dr. Saint Clair, filho do Dr. Toneres e neto do Dr. José Ernesto (Foto: Edimilson Soares)

Na fazenda dos Machado era feita a vacinação, depois das tempestades que traziam doenças endêmicas, as chamadas febres “malignas”, malária e tifo, entre outras. No Retiro, havia o baile caipira e o baile dos namorados no Clube Bacaxá, para onde convergia a juventude na época. Na Madressilva, uma gigantesca teia de aranha assombrava os moradores e até cavalos que se recusavam a passar por ela em noites de lua cheia.

Dr. Ernesto conta também a vinda do rezador Félix Nora, de São Gonçalo, que se instalou no Rio Seco, e do padre Frei Berardo, um marujo americano, neurótico de guerra, que veio morar em Saquarema, além do esotérico Paulo Lorena, fazendeiro de Pedra Branca, que depois de casar com Dona Joana, casou com sua enteada Rita, convivendo com as duas.
Assim, a narrativa vai se sucedendo até o desfecho final, com o casamento de Laura, uma das filhas do fazendeiro Machado. Tendo se mudado para Niterói e depois para o Rio de Janeiro, a bela Laura se casou com o motorista que conheceu na casa de uma família abastada onde ambos trabalhavam, mas nunca esqueceu seu primeiro amor saquaremense, o músico Anquises, com quem dançou a noite toda no dia de seu casamento. O Dr. Ernesto conta essas e outras histórias com talento narrativo. É, sem dúvida, um manancial de informações sobre o passado de Saquarema.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.