NOMES MAIS POPULARES NO BRASIL

Cultura é Notícia - Beatriz Dutra

Quando se fala nos portugueses, logo vêm à cabeça os nomes de Maria, Manoel ou Joaquim… Mas, e quando se fala dos brasileiros? Quais os seus nomes mais populares?
Recentemente, o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – divulgou em seu site “um levantamento inédito dos nomes mais frequentes no Brasil, identificados pelo Censo Demográfico de 2010” , conforme matéria assinada pelo jornalista Caio Barbosa, com a colaboração do estagiário Rafael Nascimento, publicada no jornal “O Dia”, de 29/04/2016. Por ela tomamos conhecimento dos nomes mais populares no Brasil: Maria (11.734.129) e José (5.754.529). Assim, temos mais de 11 milhões de Marias e 5 milhões de Josés – “disparadamente os mais populares”. Mas interessante é que Jesus são apenas 35.774 em todo o país.. E Deus só tem 233 xarás… enquanto que Reis são 132 e Rainhas, 77…

Quais seriam os dez primeiros colocados? Maria, José, Ana (3.089.838), João (2.984.119), Antônio (2.576.348), Francisco (1.772.197), Carlos, Paulo, Pedro e Lucas. Luiz é o 11º nome e Luís, o 13º. Mas se somados (com “z” e com “s”) “tomariam o 5º lugar de Antonio.”

Entre várias curiosidades apontadas, destacamos: temos “55 Gordos e nenhum Magro no Brasil. Pastor não há, mas Padres são 991. O orgulho de ser chamado Brasil é para 1.138. Outros 22 são Gringos. Temos 161 Ricos e nenhum Pobre. Cristo são 256. Fulano são 40 e Beltrano, outros 24. Mas não temos Sicranos. Não temos nenhuma Onça, mas temos 117 Antas”… Pasmem! O que levaria um pai a nomear seu filho Anta?!…

Considerando-se o momento político, vale lembrar que “temos mais de 40 mil Dilmas (40.632) e pouco mais de 5 mil Aécios entre nós”. Se Dilma “cairá em desuso, não sabemos”… Muito provavelmente. O fato é que nomes como Alzira, Oswaldo, Geraldo, Avelino e Waldemar, “que faziam muito sucesso nos anos 30, pouco aparecem atualmente”. E Terezinha, Neuza e Severino, “populares nos anos 50, idem”.

“Estamos na supersafra de Cauãs, Rians, Enzos, Kailanes e Sophias. E os Josés que se cuidem. O trono absoluto ainda é deles, mas dos anos 80 para cá, o que tem de Joões, Lucas e Gabriéis brigando pelo primeiro lugar no pódio não está no gibi. E agora, José?” finaliza o jornalista Caio Barbosa, com o oportuno verso de Drummond.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Beatriz Dutra é poeta, “Cidadã Saquaremense” e membro da Academia de Letras Rio – Cidade Maravilhosa.