Cultura e memória de Saquarema

Sonia e dois filhos, herdeiros de Durvalzinho (Foto: Edimilson Soares)

Sonia e dois filhos, herdeiros de Durvalzinho (Foto: Edimilson Soares)

O mês de abril foi animado na Casa de Cultura Walmir Ayala. No dia 26, o projeto “Construindo a História de Saquarema” mais uma vez se concretizou, nesta segunda versão, homenageando personalidades que fizeram e fazem parte da vida e da história do município. No ano passado, foram homenageados o poeta Alberto de Oliveira, o artista plástico Antenor de Oliveira, o médico Dr.Sebastião Tatagiba, o poeta José Bandeira, o professor e poeta Latuf Isaias Mucci, a religiosa Madre Maria das Neves, o deputado provincial e benfeitor de Saquarema Oscar de Macedo Soares, o deputado estadual Paulo Melo, o ex-prefeito Porphirio Azeredo, a poetisa Roseane Murray, o cantor de rock Serguei, o três vezes prefeito Jurandyr Melo, o poeta e crítico de arte Walmir Ayala e o juiz e ex-prefeito Leomil Pinheiro.

A família Colocci e o amigo Roosevelt (foto: Agenlo Quintela)

A família Colocci e o amigo Roosevelt (foto: Agenlo Quintela)

Na versão de 2016, o projeto homenageou o músico Rubinho (Anito Vidal dos Santos), o pescador Anolpho Alves de Souza, o motorista e empreendedor Carlos Dundum (Carlos Antonio de Azeredo Coutinho), o ex-vereador e historiador Darcy Bravo (Segisfredo de Oliveira Bravo), o senador Durval Cruz, o maestro Francisco Vignoli, o ex-prefeito Gentil Mendonça, o ex-prefeito Joaquim Costa, o religioso católico Seu Chumbinho, o poeta Jota de Jesus, a cantora Lisoletti Solvey Sedlack Bravo (Lotte), a professora Luiza Bastos Nunes, a vereadora Maria de Fátima (Taeta), o empresário Manoel Milagres e o sociólogo, jurista e escritor Oliveira Viana.

Príncipe dos Poetas

Silênio Vignoli e Marcelo, descendentes do maestro Francisco Vignoli (foto: Agnelo Quintela)

Silênio Vignoli e Marcelo, descendentes do maestro Francisco Vignoli (foto: Agnelo Quintela)

A programação do mês incluiu ainda um sarau sobre a obra do poeta de Saquarema, Alberto de Oliveira, fundador da Academia Brasileira de Letras, ao lado de vários escritores, incluindo o primeiro presidente da ABL Machado de Assis. Nascido em 28 de abril de 1858, no Palmital, onde viveu até a adolescência, antes de se mudar para Rio Bonito e depois Niterói, Alberto de Oliveira foi considerado o Príncipe dos Poetas, título também dado a Olavo Bilac que, junto com Raimundo Corrêa compunham a trilogia de poetas parnasianos. Alberto de Oliveira deixou uma obra vasta e tem sido apontado recentemente como um precursor da ecologia e da preservação do meio ambiente na poesia brasileira.

Elisia e Dr. Saint Clair, sobrinho do Dundum (foto: Edimilson Soares)

Elisia e Dr. Saint Clair, sobrinho do Dundum (foto: Edimilson Soares)

Editado em Saquarema pela Tupy Comunicações, em parceria com a Prefeitura Municipal, o livro “Alberto de Oliveira, poeta de Saquarema”, de Antonio Francisco Alves Neto e Lina Malheiros Barcellos, foi o primeiro volume da Coleção Memória da Cidade. Naquele ano de 2008, se comemorava o sesquicentenário de nascimento do poeta, cuja data de nascimento é questionada até hoje, pois alguns consideram o ano de 1859 como tendo sido o de seu nascimento. No sarau foram feitas várias apresentações escolares e teve a participação do coral Encanta Saquarema. Mas o destaque foi a música “Saquarema, Saquarema”, na voz do advogado Adailton Bravo, filho de Darcy Bravo, com apoio do cantor e compositor Tony Colocci, filho de Rubinho.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.