CAOS E OÁSIS

Cultura é Notícia - Beatriz Dutra

Tempo de desencanto e perplexidade. Busco, sofregamente, um OÁSIS que me encante, enleve e fortaleça o meu espírito, para que, renovada, possa seguir em frente, de novo sentindo o gosto pela vida.

Esse OÁSIS é feito de ORAÇÕES – “fonte inesgotável de fortalecimento e graça” ; e de BELEZA – a beleza das artes, em geral, mas que aqui, neste espaço de “O Saquá”, dirá respeito à beleza literária: textos escolhidos dos meus escritores e poetas preferidos. E tudo compartilhado com os leitores, para que, também eles, possam ser sensibilizados e enlevados, espero, esquecendo-se um pouco das densas nuvens negras que pairam sobre as nossas cabeças nesses nossos dias…

Ei-los: “O amor é estrelas” (Guimarães Rosa); “O mundo da beleza é simples.” (…)”Sou sensível diante dos gestos de flor”(…) (Nélida Piñon); “Lá nas profundezas o amor é de uma ordem e de uma harmonia só comparável à abóbada celeste” (Lygia Fagundes Telles); “Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento” (Clarice Lispector); “A vida só é possível / reinventada” (Cecília Meireles); ”Vida e poesia são a mesma coisa” (Mario Quintana); “O ser humano mais forte é o que mais só está.” (Ibsen); “Amor é privilégio de maduros” (Carlos Drummond de Andrade); “As almas são incomunicáveis. / Deixa teu corpo entender-se com outro corpo. / Porque os corpos se entendem, mas almas não.” (Manuel Bandeira); “O silêncio é o espaço do espírito” (Saint-Exupéry); “De que céu caíste para mim?” (Dostoiévski}); “Artista é aquele cujo espírito é sensível ao esplendor da… Beleza; e a função do Artista é fixar o Belo na palavra, no mármore, nas cores, no som, a fim de que o Absoluto se manifeste” (Göethe); “A fé como a poesia, são vitórias contínuas contra a perene mediocrização da vida” (Alceu de Amoroso Lima); “Levava consigo o sabor do sonho.” (Machado de Assis); “Entre o poeta e a natureza ocorre uma eucaristia. Uma transubstanciação” (Manoel de Barros); “Da oração verdadeira nasce a força” (Adélia Prado); “Deus passeia incólume entre as constelações” (Ledo Ivo); “Nada te perturbe, nada te espante. Tudo passa. Só Deus não muda. Quem a Deus tem, nada lhe falta” (Teresa de Jesus). E finalizo com Erico Verissimo: “Antes de Mussolini e Stalin já existiam as estrelas e depois que eles tiverem passado elas ainda continuarão a brilhar. (…). Olha as estrelas. Enquanto elas brilharem haverá esperança na vida.”

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Beatriz Dutra é poeta, “Cidadã Saquaremense” e membro da Academia de Letras Rio – Cidade Maravilhosa.