As “Mulheres de Ouro” da Câmara Municipal

O plenário Carlos Campos da Silveira completamente lotado durante a cerimônia (Fotos: Edimilson soares)

O plenário Carlos Campos da Silveira completamente lotado durante a cerimônia (Fotos: Edimilson soares)

Desde que foi criada a comenda “Mulher de Ouro”, projeto do vereador Paulo Renato, no mês de março, quando se comemora o Dia Internacional da Mulher, a Câmara Municipal de Saquarema homenageia mulheres saquaremenses que se destacaram durante o ano. A sessão solene, realizada no Plenário Carlos Campos, homenageou mulheres guerreiras como Leda Maria da Silveira, irmã do prefeito que dá nome ao plenário da Câmara, ex-secretária de Assistência Social e da Criança e do Adolescente, Ana Cristina Silva, secretária da saúde, professoras, enfermeiras, donas de casa, dentistas, lideranças comunitárias e até uma “morta-viva”, Yara dos Santos Souza, que publicou recentemente seu livro autobiográfico “Meu nome, minha vida”, sobre a saga de sua família.
Com o nome da primeira professora de Saquarema, Luiza Bastos Nunes, cuja filha Dilma Bastos se fez presente à mesa, durante a homenagem, a comenda é mais que uma placa, é uma honraria cobiçada por todas as mulheres que tem este dia totalmente dedicado a elas. Numa Câmara com apenas 2 mulheres, a veterana Maria de Fátima Taéta e a novata Adriana de Vander, foi convidada a participar da mesa a secretária da Mulher Rosângela Borges, representando a prefeita Franciane Motta. Desta vez, o cerimonial discreto, assinado pela equipe de comunicação social da Câmara, o radialista Santiago e a poeta Selma Moreira, funcionou muito bem. E foi através do texto produzido por eles que foi relembrada a data comemorada mundialmente.

O presidente Romacart pediu um minuto de silêncio em memória da Dra. Emydia

O presidente Romacart pediu um minuto de silêncio em memória da Dra. Emydia

Foi no dia 8 de março de 1857 que cerca de 130 tecelãs em greve por melhores salários e melhores condições de trabalho foram mortas carbonizadas dentro de uma fábrica em Nova Yorque. Mas só em 1910, durante a Conferência da Internacional Socialista na Dinamarca foi decidido que a data seria comemorada como o Dia Internacional da Mulher, uma data que a ONU (Organização das Nações Unidas) oficializou somente em 1975. Os principais momentos da noite solene, tranquilamente presidida pelo vereador Romacart Azeredo, foram flagrados pela lente do fotógrafo Edimilson Soares.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.