VIDA E POESIA

Cultura é Notícia - Beatriz Dutra“Vida e poesia são a mesma coisa”, escreveu Mario Quintana. Mas é preciso olhos para ver e sensibilidade para sentir a presença da poesia na vida corrida e concorrida que vivemos. Apesar da pressa do dia-a-dia, é preciso resistir e não abrir mão de perceber o encanto que muitas vezes nos cerca e no entanto, deixamos passar em vão…
Os poetas, como ninguém, são capazes de captar a poesia mesmo nos dias mais comuns. Vejam MANOEL DE BARROS: “Os andarilhos, as crianças e os passarinhos têm o dom de ser poesia”… // “A ciência pode classificar e nomear os órgãos de um sabiá mas não pode medir seus encantos.” // “Dou respeito às coisas desimportantes e aos seres desimportantes. Prezo insetos mais que aviões. Prezo a velocidade das tartarugas mais que a dos mísseis. Eu fui aparelhado para gostar de passarinhos. Tenho abundância de ser feliz.” //(…) eu não sou da informática: eu sou da invencionática.” // ”Quem acumula muita informação perde o condão de adivinhar: divinare.” // “Vi que tudo o que o homem fabrica vira sucata: bicicleta, avião, automóvel. Só o que não vira sucata é ave, árvore, rã, pedra. Até nave espacial vira sucata. Agora eu penso uma garça branca de brejo ser mais linda que uma nave espacial. Peço desculpas por cometer essa verdade”.
Ah, Manoel, que força tem sua poesia: tão simples, tão profunda e tão bela! Ela tem o dom de atingir em cheio os corações de tantos, que, mesmo na dura luta pela sobrevivência, estão atentos à beleza da poesia de modo que ela não passe em vão…

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Beatriz Dutra é poeta, “Cidadã Saquaremense” e membro da Academia de Letras Rio – Cidade Maravilhosa.