O show de abertura da Copa não revelou a exuberância da nossa cultura popular

Editorial - Dulce Tupy

A primeira Copa da qual participei, foi em 1958, através de um radinho de pilha que meu pai me deu e que foi durante toda minha adolescência o maior canal de comunicação que eu tinha com o mundo. Por ali conheci os meus futuros heróis futebolísticos que depois passaram ao vivo numa rua, na Tijuca, onde eu morava. Eles foram trazidos de caminhão, aberto, com uma multidão acenando para eles. Fizeram uma parada para deixar no primeiro andar do prédio ao lado de minha casa o grande Vavá, que junto com Pelé e Garrincha, garantiu o primeiro título de campeão mundial para o Brasil. Muitos ano depois, reencontrei Vavá em Saquarema, onde incentivou a prática do futebol entre amigos nos limites dos bairros Gravatá e Boqueirão. Grande Vavá; um verdadeiro leão!
Assisti a todas as outras Copas, com maior ou menor entusiasmo, mas sempre me encantou o espetáculo das aberturas, cada um mais surpreendente do que a outro. Desta forma, acreditei piamente que, no Brasil, a abertura da Copa seria algo apoteótico, como os desfiles das escolas de samba, o grande show do boi-bumbá de Parintins, na Amazônia, o carnaval dos trios elétricos na Bahia ou o alegre desfile dos bonecos gigantes nas ladeiras de Olinda, em Pernambuco. Mas não! O show de abertura da Copa das Copas foi um fiasco, apesar do auxílio luxuoso do Olodum. Melhor teria sido chamar um carnavalesco do porte de um Paulo Barros ou uma Rosa Magalhães – e mais autêntico! Vamos rezar para que haja inspiração, com base na pujança da nossa cultura popular, no show de encerramento que terá como cenário o que restou do glorioso Maracanã.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Dulce Tupy é editora do jornal O Saquá e da Tupy Comunicações.