Saquarema se manifestou nas ruas

Com a palavra de ordem de menos gastos com estádios de futebol e mais investimentos em transporte, saúde e educação, jovens ocuparam ruas, praças e ponte em manifestações

O 2 º ato leva às ruas, estudantes, que fecharam a ponte Darcy Bravo por meia hora em protesto por melhorias no transporte público do município (Paulo Lulo)

O 2 º ato leva às ruas, estudantes, que fecharam a ponte Darcy Bravo por meia hora em protesto por melhorias no transporte público do município (Foto: Paulo Lulo)

O protesto que mobilizou todo o país ganhou o apoio de saquaremenses que decidiram ir às ruas, reivindicando basicamente melhorias no transporte público – menor preço, mais horários, novas linhas e melhor qualidade dos ônibus. Quase todos estudantes, os manifestantes se reuniram  inicialmente em duas ocasiões: numa passeata de 2.500 pessoas, em Bacaxá, que culminou com um ato em frente à sede da empresa Rio Lagos, no Porto da Roça e, na semana seguinte, numa manifestação de cerca de 300 pessoas que se concentraram na Praça Antenor de Oliveira (Praça do Canhão), no centro de Saquarema, e rumou em passeata até a Câmara Municipal, onde em protesto cantaram o Hino Nacional de costas para os vereadores. Depois, seguiram para a ponte Darcy Bravo, onde se sentaram, fechando o trânsito, por cerca de meia hora.

Juventude de Saquarema exercendo a cidadania nas ruas (Agnelo Quintela)

Juventude de Saquarema exercendo a cidadania nas ruas (Foto: Agnelo Quintela)

Na Câmara Municipal, uma comissão de manifestantes foi recebida pelos vereadores, que constituíram uma Comissão Especial para tratar do assunto: transporte em Saquarema. Os vereadores pediram um prazo de no máximo 40 dias para dar uma resposta aos manifestantes. Presidida pelo vereador Gilvan Martinelli, tendo como membros os vereadores Guilherme Pitiquinho e Abraão da Mel Gil, a comissão encaminhou ofícios à empresa de transporte e foi anunciada a redução de 5 centavos no preço da passagem, que agora custa R$ 2,60.

Plenário da Câmara lotado em sessão atípica, que contou com reforço policial para garantir a ordem

Plenário da Câmara lotado em sessão atípica, que contou com reforço policial para garantir a ordem (Foto: Edimilson Soares)

Mais 2 atos ocorreram no município, quando manifestantes se reuniram novamente na Praça Santo Antônio, em Bacaxá, fechando a Rua Professor Sousa por aproximadamente 20 minutos, seguindo em direção a Rodovia Amaral Peixoto e retornando à praça Santo Antônio. No dia 2 de julho, os manifestantes voltaram à Câmara, desta vez sem apitos, sem faixas e sem caras pintadas; apenas para assistir à sessão. Segundo a Polícia Militar, que reforçou seu efetivo, todos os atos foram pacíficos.

Policiais concentrados em frente à Igreja de Santo Antônio,  local escolhido para o 1º ato, que percorreu pacificamente  ruas de Bacaxá (Agnelo Quintela)

Policiais concentrados em frente à Igreja de Santo Antônio, local escolhido para o 1º ato, que percorreu pacificamente ruas de Bacaxá (Foto: Agnelo Quintela)

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.