Assassinato na Barreira e outros casos de polícia

Casos de Polícia - Michele Maria

Assassinato na Barreira

Os moradores do pacato bairro da Barreira, em Bacaxá, ficaram surpresos com a crueldade com que uma mulher foi morta. Ela recebeu várias marteladas na cabeça e teve parte do corpo queimada. Segundo seu esposo, um comerciante local, conhecido por Louro, tratou-se de um assalto. Segundo ele, um homem invadiu a casa onde vivia o casal e o rendeu junto com a esposa, vendando-os e amarrando-os com fios, enquanto perguntava por dinheiro e joias. O dinheiro foi entregue, mas o bandido perguntava insistentemente por joias e batia em ambos. Depois de muito apanhar, Louro fingiu estar morto, enquanto as ameaças à mulher continuaram, assim como os golpes de martelo. O meliante, percebendo que não conseguiria mais nada, ateou fogo na casa, fugindo em seguida. Louro tentou se soltar e chamou a esposa, que não respondia. Quando conseguiu afastar a venda dos olhos, foi à cozinha, cortou os fios com uma faca e levou a mulher para fora da casa, em chamas. Gritou por um vizinho, que pulou o muro para socorrê-los e chamou o Corpo de Bombeiros. A mulher estava lúcida e chegou até a levantar, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no hospital. Já o marido, que também sofreu muitas agressões, não corre risco de morrer. A polícia foi chamada e o caso foi registrado na 124ª DP, onde corre em segredo de justiça.

Pipoqueiro era foragido

A Polícia Civil cumpriu, no fim de março, o mandato de prisão de um indivíduo conhecido como “Edinho Pipoqueiro”. O fato se deu após sua companheira ir à 124ª DP, registrar uma ameaça dele contra ela. Ao consultar o banco de dados, a polícia constatou que ele era um foragido de uma cidade do interior de São Paulo, acusado por homicídio qualificado. O acusado foi preso em casa.

Parte da gang da van que cometia estupros já está presa

Uma gang de São Gonçalo, que se utilizava de uma van roubada, com vidros escuros, vinha praticando estupros pelo menos desde o carnaval.  O caso só foi descoberto pelo polícia depois do estupro de uma turista que embarcou na van em Copacabana, no Rio, junto com seu namorado. Atacada violentamente, assaltada e estuprada, a americana, de 21 anos, e seu namorado francês, de 23 anos ficaram em estado de choque. O caso foi registrado na Delegacia de Atendimentos aos Turistas e logo depois foram presos alguns membros da gang, mais tarde reconhecidos por outra jovem estuprada em março deste ano e que chegou a registrar o caso na Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM) de Niterói, mas cujo caso não teve a mesma repercussão que o caso da turista. Indignado, o pai da jovem que é de Saquarema, procurou a ONG Mamas, que combate crimes de violência contra a mulher, que denunciou o descaso com o estupro. Resultado: a substituição de duas delegadas! Outra jovem de 18 anos, também registrou uma ocorrência pelo mesmo motivo, chegando a 3 o número de acusações contra o mesmo bando. Segundo a política, a quadrilha tem 5 integrantes, sendo que 3 estão detidos e um menor foi recolhido, mas o quinto homem ainda não foi identificado.  Por sua atuação, o Mamas vai receber um título de Honra ao Mérito, na sessão solene da Câmara Municipal de Saquarema, no dia 8 de maio, data do aniversário da cidade.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Michele Maria é jornalista, graduada em Letras e pós graduada em Jornalismo, Rádio e TV.