Abraço em Andreia e Academia Mitra

A bióloga e empresária Andréia, dona da Academia Mitra, recebeu  um abraço simbólico, após ter sofrido um violento ataque  com ácido, em frente à Escola Corujinha, em Itaúna. (Foto: Agnelo Quintela)

A bióloga e empresária Andréia, dona da Academia Mitra, recebeu um abraço simbólico, após ter sofrido um violento ataque com ácido, em frente à Escola Corujinha, em Itaúna. (Foto: Agnelo Quintela)

A Academia Mitra, da bióloga e empresária Andrea Montibeler, ganhou um abraço simbólico, na Avenida Oceânica, onde vizinhos, alunos e amigos se reuniram para rezar pela recuperação de Andrea e seu filho Yan, vítimas de um ataquei criminoso. No dia 11 de novembro, Andreia e seu filho foram atacados por uma dupla de motoqueiros com capacetes que a chamaram pelo nome e, agindo de surpresa, jogaram ácido em seu rosto e corpo, tendo respingado também no braço do filho. Socorrida pelas professoras e funcionários da Escola Corujinha, Andreia e Yan foram levados para o Hospital de Bacaxá, depois transferidos para o HC Lagos, em Araruama e, no dia seguinte, para a Clínica São Vicente, no Rio. Depois de passar pela UTI, Andreia agora está se recuperando na Unidade de Queimados, pois apresenta queimadura profunda, que compromete cerca de 20 a 25% de seu corpo, incluindo face, pescoço, tronco e membros superiores.

Segundo Dr. Marcos Pellon, cirurgião plástico e Coordenador da Unidade de Queimados da Clínica São Vicente, Andréia apresenta um quadro de estabilidade, mas inspira cuidados. Retirada do coma induzido, já se encontra respirando espontaneamente, sem ajuda de aparelhos, mas não há previsão de alta. O crime chocou toda a cidade e principalmente as mulheres mais conscientes e ativistas, por ter ocorrido um dia depois do encerramento da Campanha Mundial pelos 16 dias de ativismo contra a Violência contra as Mulheres, uma campanha internacional, promovida pela ONU, de 25 de outubro a 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos.

A campanha pelo Fim da Violência contra as Mulheres teve início em 1991, a partir de 4 datas marcantes. No dia 25 de outubro de 1960 foram assassinadas as ativistas “Las Mariposas” (Minerva, Pátria e Maria Tereza) na República Dominicana, por oposição à ditadura de Rafael Trujillo. O dia 1º de dezembro, é o Dia Mundial de combate à AIDS, que já vitimou milhares de mulheres no mundo. Em 6 de dezembro de 1989, ocorreu o massacre de 14 mulheres estudantes de engenharia em Montreal, no Canadá, por um homem de 25 anos. O fato motivou a criação da Campanha do Laço Branco, uma mobilização mundial de homens pelo fim da violência contra as mulheres. E o dia 10 de dezembro celebra a adoção pela ONU da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948.

Em Saquarema, a Associação das Mulheres Empreendedoras Acontecendo em Saquarema (AMEAS) realizou o 3º Café da Manhã, na Pousa Sol e Lua, em Bacaxá, onde além da palestra do Sebrae-RJ  foi apresentada a Campanha Mundial do Fim da Violência contra as Mulheres e a Campanha do Laço Branco, em solidariedade às mulheres. Os homens presentes no evento aceitaram participar da campanha colocando fitas brancas em seus pulsos, em adesão à campanha. Ninguém poderia imaginar que no dia seguinte, uma mulher em Saquarema fosse agredida tão violentamente por dois homens, numa motocicleta…

Uma passeata pela recuperação de Andreia se realizou em Itaúna, culminando com um abraço simbólico na Academia Mitra. Presentes, dois secretários municipais, Armando Ehrenfreund, de esporte e turismo, e Rosangela Borges, da secretaria da Mulher. O ex-prefeito Peres e sua esposa Manoela, vizinhos da Academia, também participaram. O cabelereiro César, da Perfil Coiffeur, foi um dos participantes entre outros, como as jornalistas Karla Drumond e Monique Barcellos, muitos alunos, professores e desportistas.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.