A celebração da Festa da Vitória

Franciane se entrega à emoção da vitória e vibra ao lado de Paulo Melo e do vice Zequinha Martins. (Fotos: Edimilson Soares)

Franciane se entrega à emoção da vitória e vibra ao lado de Paulo Melo e do vice Zequinha Martins. (Fotos: Edimilson Soares)

O espaço Via Dubai, na Avenida Saquarema, é um local de shows, onde também se realizam grandes comícios. A Festa da Vitória realizada numa segunda-feira, à noite, celebrou a campanha vitoriosa da prefeita Franciane e seu vice Zequinha, alicerçada por seu marido, o deputado Paulo Melo, presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Com apoio de 4 ex-prefeitos, Dalton Borges, Antônio Peres, Porphírio Azeredo e Jurandir Mello, Franciane está chegando ao topo de sua carreira política, com uma eleição consagradora, a maior na história de Saquarema.

O papel do empresário Zequinha Martins como vice foi determinante para a vitória.

O papel do empresário Zequinha Martins como vice foi determinante para a vitória.

Na Festa da Vitória, a prefeita reeleita Franciane Motta iniciou seu discurso dizendo que a vitória foi da população, agradeceu o apoio recebido e ressaltou a presença dos candidatos, vereadores eleitos e suplentes, inclusive Tati Chagas, com sua alegria e sua equipe rosa. Disse também que o trabalho vai continuar, agora tendo o empresário Zequinha Martins como vice e fez um agradecimento especial ao marido, o deputado Paulo Melo, que sempre acreditou no seu potencial para assumir o cargo de prefeita da cidade.

“Estes 4 anos foram superimportantes para mostrar que o deputado estava certo; a candidata dele foi a melhor escolha para Saquarema”, disse Franciane. “A gente vai mostrar mais ainda nos próximos 4 anos. Obrigada por vocês terem devolvido a felicidade para esse homem que está mais feliz do que nunca com essa vitória”.

Feliz, Paulo Melo fez um discurso descontraído. Disse que os candidatos a vereador formaram um exército de amigos e amigas, porém só alguns chegaram à vitória; mas todos têm o mesmo grau de importância… Quando se referiu a Zequinha, seu opositor na eleição anterior e agora vice de Franciane, Paulo Melo disse: “Quando eu procurei Dalton, para dizer que a gente tinha que pensar na cidade, ele entendeu o projeto. E depois veio o Zequinha; eles vieram para contribuir. Estava na hora de parar de brigar. Eu agradeço também ao Peres, porque tivemos problemas na minha eleição para deputado, mas provei a ele que nesse momento era importante ele vir para o nosso lado”.

Sem esconder sua admiração pela esposa, Paulo Melo fez revelações. “Quero agradecer a Franciane, porque desde a primeira vez, quando eu disse que gostaria de vê-la como prefeita – e ela respondeu: “você tá maluco, Paulo” – eu sabia que ela era a pessoa que me daria condições de fazer tudo por Saquarema. Vocês não sabem o que é chegar no governador, ele perguntar o que você quer, eu digo, ele assina e manda fazer! Uma cidade como essa, que por onde se anda tem melhorias! O hospital que vamos inaugurar para atender a população de Saquarema; a Faetec que qualifica e oferece a perspectiva de um futuro melhor para os jovens”.

Paulo Melo e Franciane

Paulo Melo e Franciane

E continua. “Essa cidade não tem royalties do petróleo, o orçamento é muito pequeno, mas tem um deputado que sabe que é empregado desse povo e que tem que trabalhar para fazer o melhor. Agora, quando eu tenho na prefeitura a mulher que dorme comigo todos os dias, proprietária do meu coração, dona dos meus sentimentos, é muito mais fácil. Uma pessoa que não precisava ser prefeita de Saquarema, ela já era esposa do deputado Paulo Melo, esposa do presidente da ALERJ, que de vez em quando assume o governo do estado e ela se torna a Primeira Dama… Então, ela não precisava de nada disso”.

E conclui. “Franciane precisava emprestar esse seu toque, sensibilidade e capacidade de trabalhar pela cidade; emprestar seu carisma para que tenhamos uma prefeitura transformadora, com benefício para o nosso povo. Foi a campanha mais feliz, alegre, solta e responsável que eu já vi na cidade de Saquarema nos últimos anos. Não briguei com ninguém, só fiz declarações de amor. Eu estava muito mais para Fernando Pessoa (o poeta) do que para Maguila (o lutador)”, brincou Paulo Melo.

Fechando o discurso. “Não tive oportunidade de ter infância; fui para o Rio muito cedo, fazer o que muitos nunca fizeram; tive que pedir esmolas. Durante anos esquentei as calçadas com meu corpo; tive todas as intempéries da vida, mas consegui o que muita gente não conseguiu. Tem gente que fala de mim, porque na realidade queria ser eu, mas não consegue. Um sábio chinês diz: eu perdoo os invejosos porque se eu fosse um deles, eu também queria ser eu. Estou feliz porque Franciane viu o quanto é importante o carinho do povo, ela sabe que apesar da gente estar junto há 23 anos, eu a amo mais do que ontem e menos do que amanhã”, encerrou debaixo de uma salva de palmas.

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Dulce Tupy é editora do jornal O Saquá e da Tupy Comunicações.