Rosângela, a nossa secretária da mulher

Rosângela, esposa do ex-prefeito Dalton Borges, assume a recém-criada Secretaria Municipal da Mulher

Rosângela, esposa do ex-prefeito Dalton Borges, assume a recém-criada Secretaria Municipal da Mulher

Ela é de uma família tradicional de Bacaxá e, professora formada no Colégio Cenecista, sempre trabalhou. Mas, ao lado do marido, o ex-prefeito Dalton Borges, conheceu o trabalho pesado da política, misturado com atendimento social, o que deu a essa mulher, mãe de dois filhos, Milene, 24 anos, que está se formando em arquitetura e Matheus, 22 anos, que está fazendo engenharia mecânica, uma forte estrutura emocional. Rosângela Alves de Mendonça, é a terceira filha do cabeleireiro Guilherme e da mãe Nilce, que constituíram uma grande família; Rosângela tem 6 irmãos (2 homens e 4 mulheres), mas Carmem Regina, esposa do Pitico, faleceu e hoje é nome de uma escola no Boqueirão. E ainda tem um irmão, por parte de pai. Quando casou com Dalton, ele já vivia nesse “vuco-vuco” da política, conta Rosângela em seu gabinete provisório, na sede da Secretaria Municipal de Promoção Social.

“Ele adorava uma reunião política, um discurso. Isso é com ele mesmo! Mas eu nunca me envolvi diretamente. Eu dava aula e trabalhava com meu pai no salão. Mas na segunda vez em que ele foi vereador, eu já tive que acompanhá-lo mais, dando apoio e suporte. Comecei fazendo uns trabalhinhos aqui, outros ali, na parte social; ajudando sem visar política. Aprendi muita coisa e gostei. E, quando ele foi candidato a vice-prefeito, eu abracei mesmo a campanha”, relembra Rosângela, os primeiros tempos na política. “Acredito que eu tenha sido uma das primeiras damas que ajudou nos trabalhos sociais do município”, continua. “Cheguei a participar com o secretário de promoção social na época, Ademir Amorim, montando a secretaria e elaborando novos projetos, conseguindo ambulância”…

Portanto, ser agora nomeada pela prefeita Franciane Motta, como secretária municipal da mulher é mais um desafio, principalmente porque é uma secretaria nova e difícil de lidar, porque lida com violência, o que não é fácil e tem muitas consequências como o sofrimento e o medo. Segundo Rosângela, nas atuais instalações da secretaria, em uma pequena sala, por enquanto, não há condições de atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica, que vêm sendo atendidas na Delegacia, em Saquarema, onde são registradas as ocorrências. A secretaria somente encaminha estas mulheres para o CRAS, Centro de Referência da Assistência Social, que funciona na Rodovia Amaral Peixoto.

“Mas vamos tentar amenizar, ajudar e minorar esse problema tão grave”, afirma Rosângela que tem acesso às estatísticas sobre a violência contra mulher no município e que são altíssimas! Outro aspecto a ser abordado pela Secretaria da Mulher é sua interface com os programas da saúde da mulher, campanhas de prevenção do câncer de mama e de útero. “É fundamental atuar junto com as demais secretarias, como por exemplo a do meio-ambiente, que é um tema que precisa ser muito debatido e divulgado: a questão do lixo, a preservação ambiental, a conscientização sobre esse tema”, explica a secretária que já está se preparando para realizar, em breve a III Conferência Municipal da Mulher. Será o primeiro passo e um bom começo, para quem está chegando com muita vontade de realizar.

O Saquá 135 – Julho/2011

Matéria publicada na edição de julho de 2011 do jornal O Saquá (edição 135)

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Dulce Tupy é editora do jornal O Saquá e da Tupy Comunicações.