Os onze anos de resistência do jornal mensal O Saquá

Editorial - Dulce Tupy

Quando saiu pela primeira vez, em julho do ano 2000, o jornal O SAQUÁ tinha apenas 8 páginas, duas cores, poucos anunciantes e uma pequena tiragem. Porém, com uma linha editorial inovadora, uma linguagem jornalística direta e com foco no município de Saquarema, O SAQUÁ foi ganhando aos poucos a preferência da cidade, tornando-se um verdadeiro fenômeno na mídia local e regional. Hoje, nas ruas, esquinas, bares, barracas, lares, igrejas, prédios públicos, praias, campos de futebol, festas, restaurantes, cabeleireiros, consultórios médicos e odontológicos, escritórios de advocacia, imobiliárias, pontos de táxi, supermercados, movimentos comunitários e socioambientais, O SAQUÁ se encontra no topo, o que se verifica também em algumas pesquisas de opinião, em que chega a atingir cerca de 40% da população de Saquarema, dos cidadãos mais simples aos mais graduados.

Onde há pessoas inteligentes e informadas conversando em Saquarema, volta e meia rola o nome do jornal O SAQUÁ. Esse sucesso é uma demonstração de competência que abrange toda a equipe do jornal que, ao longo de 11 anos, conseguiu manter seus leitores, numa progressão cada vez maior. Além do jornal impresso, vendido nas bancas por 1 real, O SAQUÁ tem também uma versão digital na internet, ampliando ainda mais seu alcance e sua popularidade. Tudo é resultado de muito trabalho, abnegação, planejamento e um pouco de sorte. Encontramos em Saquarema um terreno fértil para o surgimento de um jornal que informasse com profissionalismo: jornalismo de verdade! Assim foi se conformando o perfil de um jornal comprometido com a vida da cidade, seus moradores, seus costumes, seus empresários, seus comerciantes, seus políticos, seus visitantes, seus turistas e sua gente. O jornal O SAQUÁ, trouxe para suas páginas, com pioneirismo, as festas religiosas, em geral, quando só se escrevia sobre a Festa de Nossa Senhora de Nazareth, revelando a Festa do Divino para o grande público, a beleza dos tapetes de sal do Corpus Christi, resgatando a Folia de Reis de Sampaio Corrêa, documentando as coloridas quadrilhas de São João, a procissão de Santo Antônio e os barcos de São Pedro…

O jornal O SAQUÁ também se engajou na luta pela preservação dos sambaquis e o meio ambiente. E registrou desde o primeiro momento a criação do Fórum da Agenda 21 Saquarema, hoje uma realidade, integrada à Agenda 21 Comperj, proposta pela Petrobras, como parte do planejamento do maior empreendimento no setor de energia no país. Na cobertura política do dia a dia, passaram pelo jornal O SAQUÁ todos os políticos atuais da cidade, os que venceram e os que não ganharam, os que hoje são passado e os que fazem a história atual. Ao longo de 11 anos, retratamos todas as obras na cidade, a expansão urbana e abrimos espaço para as fotografias mostrarem a realidade local.

Portanto, ao comemorarmos 11 anos, não escondemos nosso orgulho de estar contribuindo com uma comunicação de qualidade. Hoje, O SAQUÁ é uma referência no Estado do Rio de Janeiro. Um pequeno e grande jornal. Um exemplo para a nova geração de jornalistas que está saindo da faculdade e se espelhando nesta perspectiva de encontrar espaço para a criatividade e a invenção. Jornalismo com sabedoria e profissionalismo. Viva O SAQUÁ!

O Saquá 135 – Julho/2011

Artigo publicado na edição de julho de 2011 do jornal O Saquá (edição 135)

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Dulce Tupy é editora do jornal O Saquá e da Tupy Comunicações.