Seleção tenta mostrar sua nova cara na Copa América

Com dois empates seguidos, um frustrante 0 X 0 frente à frágil Seleção da Venezuela e outro dramático em 2 X 2 diante da Seleção do Paraguai, nas duas primeiras rodadas da Copa América, a Seleção brasileira está pagando o justo preço exigido de todo time de futebol que precisa passar por uma renovação. Agora, sob o comando de Mano Menezes, a Copa América é a primeira competição oficial disputada pela Seleção brasileira que só depende de si mesma, na partida contra o Equador pela terceira rodada, para conseguir a classificação que leva às quartas-de-final.
Certamente, mais importante do que os resultados desses dois primeiros jogos é o fato da Copa América servir para Mano Menezes ajustar a tão sonhada renovação, visando a Copa do Mundo de 2014 no Brasil: Thiago Silva desponta como o sangue novo em uma defesa forte. O meio-de-campo tem talento principalmente com a recuperação física de Ganso. Quanto ao ataque ainda falta confirmar se Pato vai emplacar como centroavante.

Apesar de fazer lembrar do insucesso na Copa do Mundo de 2006, agora pode vir a ser diferente e para melhor o novo quadrado mágico (Ganso – Jadison ou Elano – Neymar e Pato) pretendido por Mano, que chegou a pensar na ressurreição de Robinho, abrindo mão de Elano, para tentar um futebol agressivo no esquema 4-3-3. Já que não participaremos das Eliminatórias por sermos país sede da Copa de 2014, disputar a Copa América é muito importante porque permitirá ao técnico Mano Menezes tirar boas conclusões. Atual bicampeão continental por ter superado justamente a Argentina nas finais de 2004 e 2007, o Brasil está motivado para conquistar o tricampeonato na casa deste adversário.

O Saquá 135 – Julho/2011

Artigo publicado na edição de julho de 2011 do jornal O Saquá (edição 135)

Compartilhe!
Palavras-chave:

Sobre o autor

Marcelo Vignoli escreve sobre esporte para o jornal O Saquá.