Vida , poesia e o poeta

Cultura é Notícia - Beatriz Dutra

“Vida e poesia são a mesma coisa”, escreveu Quintana. Mas olhar a vida poeticamente, captar a poesia que a vida tem, e, mais que isso, viver poeticamente – sobretudo nos conturbados dias de hoje – constituem imensos desafios mesmo para os POETAS.

POETA, “ser alado e sagrado, todo leveza…” nas palavras de Platão, tanto tempo antes de Cristo…; POETA, “sentinela do invisível” para Rainer Maria Rilke; POETA, “rouxinol sentado na escuridão e que canta para animar a própria solidão com sons suaves”, segundo Baudelaire.

Não é de hoje que “o belo é uma alegria para sempre”. E o POETA sensibiliza porque é capaz de descobrir a beleza esteja onde ela estiver, mesmo nos fatos mais corriqueiros da vida; o POETA emociona porque é capaz de revelar luz e iluminar áreas obscuras da existência.

O POETA é, pois, essencial. Nas asas da sua poesia voamos ao céu. E voar ao céu é sentir-se no paraíso, mesmo estando na Terra.

Mas “a vida é breve e a arte longa”, ensinou Göethe. Assim, pode a vida do poeta passar, mas a arte da sua poesia perdurar. E a força do canto poético de LATUF ISAIAS MUCCI, no seu “Águas de Saquarema”, amorosamente dedicado a esta cidade, haverá de ecoar, encantar e permanecer junto ao rumor do mar enternecendo corações e gerações ao longo do tempo.

O Saquá 127 – Novembro/2010

Artigo publicado na edição de novembro de 2010 do jornal O Saquá (edição 127)

Compartilhe!

Sobre o autor

Beatriz Dutra é poeta, “Cidadã Saquaremense” e membro da Academia de Letras Rio – Cidade Maravilhosa.