Petrobras investe no Cenpes e torna-se 2ª no mundo

Editorial - Dulce Tupy

O presidente Lula esteve no Rio para inaugurar as obras de ampliação do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras, o Cenpes, na Cidade Universitária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão. Inaugurado em 1973, o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello, o Cenpes, é o principal pólo da companhia para prover as tecnologias necessárias à exploração da camada do pré-sal: o petróleo em águas ultraprofundas, de até 7 quilômetros. Com a ampliação, o Cenpes passará de 122 mil para 305 mil metros quadrados, tornando-se um dos maiores centros de pesquisa aplicada no mundo e o maior do hemisfério sul, abrigando 277 laboratórios (antes eram 137) para atender às demandas tecnológicas das pesquisas na área do pré-sal, biotecnologia, meio ambiente, gás e energia, além das novas áreas de interesse da Petrobras, como a petroquímica, biocombustíveis e fertilizantes.

Com investimentos na ordem de R$ 1,2 bilhão, a ampliação do Cenpes gerou cerca de 6 mil empregos diretos e 15 mil indiretos. Entre as novas instalações está o Núcleo de Visualização Colaborativa, com simulação tridimensional, para desenvolvimento de estudos e projetos como se os pesquisadores e especialistas estivessem imersos no ambiente estudado. O Cenpes conta ainda com um sistema de reaproveitamento de água da chuva, coletada através do telhado e reaproveitada na irrigação de jardins e no fornecimento para os sanitários. Já os fluidos sanitários, oleosos e químicos são tratados na Estação de Tratamento e Reuso de Águas (Etra) e reutilizados nos sistemas de ar condicionado, permitindo a redução do consumo de água potável. Com uma arquitetura futurista, linhas modernas e arrojadas, de autoria do arquiteto Ziegbert Zanettini, o prédio enfatizou os conceitos de ecoeficiência, com baixo consumo de energia elétrica.

Além da inauguração das obras do Cenpes, a Petrobras comemorou ainda a maior capitalização já realizada na história mundial, que levantou R$ 120,2 bilhões com emissão de mais de 4 bilhões de ações. A oferta de capital, no valor de US$ 69,9 bilhões, elevou a Petrobras de 4º para 2º lugar entre as empresas de capital aberto, no mundo. Criada em 1953, pela Lei 2004, assinada pelo presidente Getúlio Vargas, a Petrobras iniciou suas atividades em 1954, com produção de 2.700 barris de petróleo por dia. Hoje, elevada à categoria de empresa transnacional, a produção média diária de petróleo e gás natural da Petrobras no Brasil e no exterior é de 2.598.763 barris. Esse resultado obtido no mês de agosto ficou 2,7 % acima do volume registrado no mesmo mês em 2009. Considerando apenas os campos no Brasil, a produção média diária de petróleo e gás alcançou 2.351.951 barris, um aumento de 2,4 % em relação a agosto do ano passado.

Esse aumento na produção 17.451 barris/dia é consequência do aumento da produção das plataformas Cidade de Santos, no campo de Uruguá (Bacia de Santos) e do Capixaba, no Parque das Baleias, no Espírito Santo (Bacia de Campos), além da entrada em produção de mais um poço em Marlin Sul (Bacia de Campos). Já a produção de gás natural nos campos nacionais atingiu 52 milhões 385 mil metros cúbicos. Contribuíram para o resultado a entrada em produção de novos poços na Nigéria e maior produção na Argentina. A produção de gás natural no exterior foi de 16 milhões 170 mil metros cúbicos, registrando um acréscimo de 8,9 % em relação ao mesmo mês em 2009.

Capa O Saquá 126

.

Artigo publicado na edição de outubro
de 2010 do jornal O Saquá (edição 126)

Compartilhe!

Sobre o autor

Dulce Tupy é editora do jornal O Saquá e da Tupy Comunicações.