Aterro Sanitário: solução para o lixo?

O aterro sanitário de São Pedro da Aldeia também recebe o lixo de Cabo Frio. Foto: Divulgação / Dois Arcos.

Um aterro sanitário em Saquarema para receber o lixo de mais 3 municípios está em discussão

Saquarema não tem aterro sanitário, só tem um lixão, no segundo distrito, Bacaxá, que não tem sequer balança para pesar seu lixo e medir o quanto de poluição está escorrendo para o lençol freático, contaminando o nosso subsolo. Há tempos atrás, estava sendo implantada uma unidade de triagem e compostagem, do Programa Pro-Lixo, no terceiro distrito, Sampaio Corrêa. Na época dizia-se que seria a solução, mas o projeto foi abandonado. Agora, está em discussão um novo projeto para resolver a grave questão do lixo: a construção de um aterro sanitário no município com verba do governo do estado. Mas o projeto encontra barreiras na falta de informação da população em geral que, antes mesmo que seja apresentado o projeto definitivo, já está contra, imaginando o transtorno de ter mais um lixão na porta de suas casas.

Para apresentar o projeto, ainda em fase de elaboração, os vereadores convocaram o secretário municipal de Meio Ambiente, Dr. Gilmar Magalhães para prestar esclarecimentos. Em sua apresentação, Dr. Gilmar explicou a diferença entre o aterro sanitário e lixão.

“Aterro Sanitário é a solução não só para Saquarema, mas para todo o estado, todo  país, todo o mundo”, confirma o secretário de Meio Ambiente. “O lixão é a disposição do lixo diretamente no solo, sem tecnologia e sem controle, sem preocupação com o chorume (líquido poluente oriundo do lixo) e com os gases (produzidos pelo lixo e que podem ser reaproveitados como energia). Já o aterro sanitário é o local adequado para receber o lixo urbano porque tem técnicas de engenharia, como uma camada de isolamento para impermeabilização do solo, a captação do chorume (água preta) que é 200 vezes mais tóxico que o esgoto sanitário e que atualmente, no lixão, está indo diretamente para o subsolo.”, explica Dr. Gilmar.

Ecologicamente correto

No aterro sanitário o lixo é disposto em camadas no solo impermeabilizado e depois coberto. O chorume será captado através de um sistema de drenagem e tratado adequadamente. Toda a área será reflorestada, posteriormente, evitando a contaminação do solo e proliferação de doenças. E, finalmente, como mais uma vantagem, o aterro sanitário está sujeito à fiscalização permanente dos órgãos ambientais e do Ministério Público.

A desvantagem, para alguns, é que o aterro sanitário de Saquarema serviria para receber não só o lixo do município mas também de Araruama, Silva Jardim e Arraial do Cabo. Só assim, num sistema de consórcio entre os 4 municípios , o governo do estado pode financiar a obra, pois o estado não pode fazer 4 aterros sanitários, um para cada município. E os municípios, por sua vez, não têm verba para construir seus aterros sanitários isoladamente.

Respondendo a perguntas do vereador Rafael Pinheiro, Dr. Gilmar explica que uma das compensações que o município receberá, se abrigar o aterro sanitário do consórcio, é o preço da tonelada, que será inferior ao dos demais municípios. Além disso, haverá também aumento do chamado ICMS verde ou ecológico, uma verba a mais que o município recebe do estado, em função das unidades de conservação que tem e da forma como trata o lixo. O vereador Vinícius declara que não está convencido da necessidade do aterro sanitário. E o vereador Paulo Renato diz que lixo é igual cemitério – “é uma necessidade, mas ninguém quer ter perto!” – embora reconheça as vantagens de um aterro sanitário sobre o lixão a céu aberto.

O vereador Kinho pergunta se já tem uma área determinada e o Dr. Gilmar responde que o ideal para o aterro sanitário é onde houver menor concentração urbana, ou seja, na periferia da cidade. O vereador Orelha lembra que o lixão contaminava o bairro de Água Branca e agora contamina o Rio da Areia. E o presidente Cabral, pergunta se o aterro seria construído mesmo sem o consórcio entre os 4 municípios e o Dr. Gilmar explica que não e que inclusive o prazo para os municípios resolverem os seus problemas com o lixo já expirou.

No final da apresentação do Dr. Gilmar Magalhães, fica acertado entre o secretário e os vereadores uma visita a um aterro sanitário, para que todos possam ver de perto como funciona. É possível que a visita seja ao aterro sanitário Dois Irmãos, em São Pedro da Aldeia, que já está recebendo o lixo de Cabo Frio e em breve receberá também o de Búzios e o de Iguaba Grande.

Capinha O Saquá 114Matéria publicada na edição de novembro
de 2009 do jornal O Saquá (edição 114)

Compartilhe!

Sobre o autor

A equipe do jornal O Saquá é formada por diversos jornalistas.